Vídeo de divulgação da História e o Espiritismo

.

.

Seja bem vindo

Seja bem vindo

Mapa

free counters

Total de visualizações de página

Seguidores

QUEM FOI CHARLES RICHET

31 de out de 2010

Amigo Leitor, trouxemos na tarde de hoje dois artigos interessantes sobre o Dr. Charles Richet, que foi o fundador da Metapsíquica.No artigo escrito por Alexandre C. Machado, demonstrado logo abaixo, o autor fala  sobre a vida e obra deste grande homem.Na postagem a seguir encontraremos uma narrativa do Autor Espiritual Humberto de Campos, que fala sobre o desencarne de  Charles Richet , material psicografado pela lavra mediúnica do médium Francisco Cândido Xavier. Aprecie ambos artigos.
Boa leitura e reflexão
LUCIANO DUDU

Artigo ecrito por : Alexandre C Machado

Charles Richet foi conhecido como o fundador da Metapsíquica, nasceu em 1850 a 1935.
Desempenhou um papel fundamental no processo de desvendar o desconhecido mundo dos fenômenos anímicos. Em 1905, então presidente da Sociedade de Investigações Psíquicas - Londres, propôs o nome de Metapsíquica a este conjunto de conhecimentos.
Sua obra mais famosa, Tratado de Metapsíquica, é um verdadeiro arcabouço de fatos e descrições pormenorizadas de experiências psíquicas descrições históricas e classificatórias que muito colaboraram para o seu desenvolvimento. A sua maior contribuição, sem sombra de dúvida, foi o estudo do ectoplasma, substância responsável pela viabilidade dos fenômenos ditos objetivos.
Foi ele quem, pela primeira vez, denominou a substância que emanava dos médiuns de efeitos físicos de ectoplasma, naquele momento referindo-se aos fluidos que emanavam de Eusápia Paladino (uma das maiores médiuns da história do Espiritismo): “são as formações difusas que eu chamo de ectoplasmas; porque elas parecem sair do próprio corpo de Eusápia”.
Numa experiência transcorrida com a médium Marthe Béraud, Charles Richet e Gabriel Delanne fizeram com que a “materialização” soprasse o ar de seus pulmões através de uma solução aquosa de barita, usando um pequeno tubo. O resultado foi o turvamento do líquido, revelando a presença do gás carbônico, fenômeno peculiar dos organismos vivos normais.
A Metapsíquica de Richet era composta pela composição dos seguintes fenômenos: a Criptestesia, a telecinesia e a ectoplasmia. Para ele, a Metapsíquica estava na flor d’água de uma nova psicologia. No seu Tratado, Richet classificou a história da fenomenologia metapsíquica em quatro períodos:
1°) Período Mítico, que vai das origens históricas até Mesmer, (1776);2°) Período Magnético, que vai de Mesmer às irmãs Fox, ( 1847);3°) Período Espirítico, que vai das irmãs Fox, passando por Allan Kardec, a William Crookes (1872);4°) Período Científico, que vai de Crookes até agora.
Charles Richet classificou os fenômenos metapsíquicos em dois grupos gerais: Fenômenos Subjetivos, que ocorrem exclusivamente na área psíquica, sem nenhuma ação dinâmica sobre os objetos materiais (anos antes, a estes fenômenos Allan Kardec denominou Inteligentes). E Fenômenos Objetivos, cuja manifestação envolve ação física sobre os objetos materiais (na linguagem espírita, Fenômenos Físicos).Esta classificação é utilizada até os dias de hoje.
Charles Richet nunca se declarou espírita, mas sim, um estudioso dos fenômenos metapsíquicos. Não podemos, portanto, classificar Charles Richet como um continuador da obra de Allan Kardec, já que na verdade Richet reserva um espaço de duas páginas em um Tratado de mais 700 àquele que poderia ter sido um de seus mestres.
Desvendou um caminho distinto, sem evidentemente desconhecê-lo tanto, e que o classifica na categoria de iniciador romântico da Metapsíquica, reconhecendo em Kardec, a quem se refere como Dr. H. Rivail, algum apreço pela investigação científica, mas que, no entanto, se levou demais a acreditar que as comunicações dos Espíritos através dos médiuns eram destituídas de erros, desde que as mesmas emanassem de bons Espíritos.
Esta crítica, a nosso ver, não é muito justa porém se assemelha à feita por Arthur Conan Doyle em seu A História do Espiritualismo, fazendo-nos, pelo menos, pensar que conhecemos hoje bem melhor a obra de Kardec do que os quase contemporâneos vizinhos e conterrâneos.
Foi companheiro de jornada de homens do vulto de um Gustavo Geley, Gabriel Delanne e Ernesto Bozzano. Este último seu grande amigo e com quem duelaria no campo da ciência. Bozzano no seu livro “Metapsíquica Humana”, dedica no último capítulo, denominado: Respostas a algumas objeções de ordem geral; algumas palavras diretamente contrárias às posições de Charles Richet, são elas: “..não devo ocultar que entre os que assim pensam está o Prof. Charles Richet, a quem sinceramente venero e admiro. No Journal of the American for S.P.R. de setembro de 1923, pag 400, a respeito ele escreve:Sou de opinião que, se a Metapsíquica não tem progredido mais, se deve isto a um defeito de método; quiseram dela fazer uma religião cheia de ardor, em vez de uma ciência serena e modesta.... Penso ser de não pequena utilidade destruir essa deplorável prevenção, filha de uma observação estranhavelmente parcial e superficial do movimento espírita encarado em seu conjunto. Se é verdade que o Espiritismo seja tomado num sentido religioso por uma multidão, aliás muito respeitável, de almas simples, não quer dizer isso que ele seja religioso, mas tão somente que as conclusões rigorosamente experimentais e, portanto, científicas, a que conduzem as investigações medianímicas, tem a virtude de reconfortar grande número de almas atormentadas pela dúvida... “( Ernesto Bozzano, Metapsíquica Humana) e se refere a tantos sábios, homens de ciência que se dedicaram a estudar os fenômenos inicialmente de forma materialista, convertendo-se ao Espiritismo pela conclusão a que chegaram através da pesquisa.
Na introdução do seu Tratado de Metapsíquica Richet, em sua segunda edição, chega mesmo a citar os espíritas que já naquela época pouca importância deram a esta obra uma vez que acreditavam que tudo o que importava já havia sido escrito. Richet escreveu - se os espíritas fossem justos, reconheceriam que a minha tentativa de fazer entrar na ordem dos fatos científicos todos os fenômenos que constituem a base de sua fé, mereceria eu verdadeiramente alguma indulgência.
Vê-se que na época o movimento espírita francês já estava totalmente dominado pelos ritos, afastando-se dos ensinamentos de Allan Kardec, salvava-se neste tempo Gabriel Delanne, que muito doente insistia com a sua Sociedade Francesa de Estudos de Fenômenos Psíquicos e na revista Le Spiritisme. A rigidez de Richet, com relação à metodologia científica se explica pelo trabalho profissional do mesmo que, como cientista, veio a ser merecedor de um Prêmio Nobel. Allan Kardec, em A Gênese escreve: Caminhando de par com o progresso, o Espiritismo jamais será ultrapassado, porque, se novas descobertas lhe demonstrassem estar em erro acerca de um ponto qualquer, ele se modificaria nesse ponto. Se uma verdade nova se revelar, ele a aceitará. Com estas palavras Kardec colocava todo o seu gênio que infelizmente só foi seguido por alguns como Camille Flammarion, Léon Denis, Delanne dentre outros.
Desta mesma forma, Richet declara que o primeiro Tratado de Metapsíquica irá ter a sina comum. Ele irá logo ficar para trás e cair em desuso, porque os progressos desta nova ciência serão rápidos.
Assim como Kardec, os metapsiquistas também acreditavam num rápido progresso das ciências psíquicas, elas de fato tiveram algum alento com o advento da Parapsicologia de Rhine. No começo da década passada, muitos de nós, estudiosos, guardávamos muita esperança de que na União Soviética existissem centros de pesquisa, a cortina de ferro caiu e o que havia em termos de psicobiofísica?
A verdade é que pesquisadores do quilate dos grandes metapsiquistas, incluindo no grupo
os espiritualistas ingleses, já não aparecem com tanta freqüência.Transferimos nossas expectativas para o século que se avizinha, este sim poderá trazer ao público em geral aquilo que Kardec, Richet e tantos outros se empenharam tanto em estudar, classificar e ensinar, mas que não atingiram a universalidade do conhecimento

Fonte : http://www.espiritnet.com.br/Biografias/biogchar.htm
Imagem: Google

0 comentários:

Postar um comentário

Leia com atenção

Leia com atenção

EU RECOMENDO

EU RECOMENDO
REVISTA SER ESPIRITA

REVISTA SER ESPIRITA

Reencarnar Mulher:
Opção ou necessidade evolutiva?
Já é de conhecimento dos espíritas de que os espíritos não têm sexo. Nesta edição a SER Espírita convida seus leitores a estenderem o olhar sobre os espíritos que reencarnam em corpos femininos.
Nesta edição a SER Espírita convida seus leitores a estenderem o olhar sobre os espíritos que reencarnam em corpos femininos. Já é de conhecimento dos espíritas de que os espíritos não têm sexo. Mas também já sabemos que, ao entrarem na “fila” do reencarne, cerca de 50% dos espíritos podem escolher ou ser designados a reencarnar em um corpo feminino. Mas por que, afinal, reencarnar mulher, e não homem?
Para quem ainda não pensou nisso, convidamos a fazer algumas reflexões: será que reencarnar mulher não seria a oportunidade do espírito viver um grande desafio? Sem demérito nenhum para o sexo masculino – que também tem que enfrentar determinadas dificuldades na Terra, reencarnar mulher é sim uma grande missão. Missão recheada de desafios: o desafio de sofrer a dor do parto e de ser mãe; o desafio de conviver com determinadas sensações que só as mulheres têm, como por exemplo o ciclo menstrual; o desafio de ser a irmã mais velha – ou mais nova; o desafio de dar conselhos a uma amiga; os desafios da vida em um mundo em que ainda existe machismo e preconceito, em um mundo onde elas ainda recebem salário menor do que eles; onde, em alguns países, elas sequer podem mostrar o rosto, são estupradas e, muitas vezes, ninguém é punido. Assim, cuidar da mulher torna-se urgente na sociedade atual, seja ela qual for, em qualquer lugar do mundo.
Nesta edição, também trazemos para os leitores uma entrevista com o jornalista Marcel Souto Maior, autor do livro Kardec, A Biografia. Ele conta com exclusividade para a SER Espírita porque novamente decidiu desvendar a vida de um espírita. O jornalista já pesquisou a vida de Chico Xavier, cujo resultado foi publicado no livro As Vidas de Chico Xavier
Ele ainda revela alguns detalhes sobre o filme que retratará a vida de Kardec, que deve ser filmado neste ano.
O longa será baseado em seu livro. Na seção Carreira, outro convite à reflexão: por que não mudar de trabalho ou de área? Basta ouvir o seu coração e buscar o que te faz ainda mais feliz.

Nota de esclarecimento

As imagens contidas neste blog, são retiradas do banco de imagens da rede web.
Agradeço a todos que compartilham na rede tais imagens e até mesmo textos.
Caso haja algum problema de utilização em meu blog de algum material de sua autoria, entre em contato para que eu proceda a retirada.
Luciano Dudu