Vídeo de divulgação da História e o Espiritismo

.

.

Seja bem vindo

Seja bem vindo

Mapa

free counters

Total de visualizações de página

Seguidores

ESPIRITISMO E EVOLUÇÃO POR FLÁVIA NEVES

20 de abr de 2012


Amigo leitor em comemoração ao aniversário do 2º ano blog História e Espiritismo, nós fomos agraciados com um artigo, profundo e muito interessante de autoria da escritora Flávia Neves.

È um privilegio tê-la como amiga, uma pessoa inteligente, imparcial e dotada de uma grande humildade, dotada de um senso crítico racional muito aguçado.
Não tenho palavras para deixar registrados meus sinceros agradecimentos a Flávia Neves, pelo apoio aos meus trabalhos, pela contribuição no desenvolvimento de artigos para meus blogues.
Não raro, recebo dela um grande incentivo e orientações para a condução de ideias para elaboração de projetos e estudos a cerca dos assuntos relacionados a História das Religiões e inclusive do Espiritismo.
Sempre sou agraciado pelas suas valiosas sugestões, críticas construtivas, e uma imensa paciência em nossas discussões relacionadas aos assuntos abordados em meus blogues.

Com o passar do tempo ficou evidenciado em nossos colóquios uma grande sintonia de ideias entre nós, relacionados aos temas da historicidade das religiões, incluindo o Espiritismo, e da busca incessante para tornarmos um dia o Homem Integral, que é a proposta para todos os filhos de D’us.
Deixo registrados todos os meus agradecimentos a esta grande amiga Flávia.

Fiquem com o artigo Espiritismo e Evolução.
Boa leitura e reflexão

Luciano Dudu


                                  ESPIRITISMO E EVOLUÇÃO

 

Independendo de paradigmas religiosos e diferenciação de credos, sabemos “de forma vaga, embora presente tal alegação em várias culturas ancestrais”, que descendemos dos sobreviventes de uma civilização antidiluviana, e que, muito de nosso legado foi silenciado, ocultado em alegorias míticas, ou simplesmente adormecido em nós.
Os processos de concepção, gestação, nascimento, desenvolvimento, morte e renascimento podem ser analisados não apenas isoladamente em cada indivíduo, mas na humanidade enquanto espécie, com o propósito de um aprimoramento renovado. Embora capacitados anteriormente a corrermos, ora, ao renascermos não pulamos do ventre materno com pernas enrijecidas, adaptada e limitada a nossa essência pelo condicionamento do organismo habitado. É questão de lógica, avaliarmos as limitações intelectuais também no cerne espiritual.

Procuremos na bíblia, e, desde os primórdios dos textos sacros considerados mais antigos dos monoteístas, leremos sobre manifestações espíritas, evocação de mortos, comunicação com seres descarnados; portanto, qual a novidade trazida ao século XIX por Kardec, e por qual razão justamente em tal período histórico?
A novidade estava intrinsecamente enraizada na sede autêntica de nossos ancestrais e sua aptidão nivelada nos planos material e espiritual. Os questionamentos sobre a valoração da vida humana, os avanços tecnológicos descortinando a potencialidade de nossas mentes, as conclusões a despeito da nossa condução pela história alavancaram, de certo, na coletividade, a capacitação de desvendarmos a ausência da “finitude de afinidade” através da abertura dos canais de comunicação com o plano espiritual.

Kardec apresentou-nos, pois, ao HD “por assim dizer”, de conexão, contido em nós para tal finalidade! Cortado o cordão umbilical da carne, os fios rompidos, destarte, hoje podemos facilmente comparar da telefonia móvel ao celular, de maneira a entendermos que a corporeidade, “assim como os fios visíveis”, não é quesito indispensável aos elos de interlocução e vinculação com o lar que habitamos depois da morte.

E o próprio Kardec, em sua sagaz acuidade, adverte aos espiritistas quanto a não rotulação de seus estudos por concluídos, ao contrário, sendo taxativo quanto à necessidade de pesquisar, questionar, sopesar fundamentos e fatos, acrescendo à doutrina SEMPRE. E assim como no século XIX, participamos de uma era de transformações avolumadas e céleres que nos estarrece, e a mesmice, portanto, não tem espaço, não encontra mais ouvidos dispostos e sim mentes enfadonhas pelo embaralhar de pseudoverdades sem sentido.
Nossos pensadores, nossos filósofos, os bravos arautos da divindade, onde estão? Messias? Já temos. Codificadores? Também. O que precisamos agora? Somos parte de uma geração que carece de mais, que quer mais e, “olha nós de novo”, evocando, mental e inconscientemente, às forças superiores, para que nos enviem mais esclarecedores, mais mentores e mais alimento às nossas almas, pois ansiamos pela próxima etapa.

E talvez “seja essa a próxima etapa”: A consciência de que já tivemos orientadores, e ainda os temos, mas, se à teoria segue-se a prática, quem sabe não aguardam que nós tenhamos a desenvoltura para processarmos as informações já adquiridas sem nos sentirmos, todavia, manipulados?!

É como vejo e sinto em nossos fraternos, tais como o autodidata Luciano Dudu, que com a criação do blog História e Espiritismo, imperceptivelmente escancara vielas e rodovias que permitem o tráfego de informação do contínuo tempo e espaço entre passado e futuro. Há muito a ser resgatado, e a melhor maneira de se avaliar o porvir é aferir o pretérito positivamente.

O blog História e Espiritismo nos convida a avançarmos tendo por exemplo heróis, vilões, vítimas e algozes, tendo por cenário as várias épocas da historicidade do mundo e podermos, através de conclusões racionais, desnudarmos o processo natural de progressão na condição complexa do todo que somos, “em vísceras e em espírito”.

“Ao homem o que é do homem, e a Deus o que é de Deus!” Ao homem, pois, que venha a “Sofia”, o conhecimento do todo e de si mesmo; e a Deus, por consequência, o que é de Deus; a Deus, regressemos na condição de seres sábios!”


Flávia Neves – escritora espiritualista












O MUNDO EM QUE VIVEU ALLAN KARDEC PARTE 1

15 de abr de 2012

DE RIVAIL A ALLAN KARDEC PARTE 1

14 de abr de 2012





Amigo leitor,
No dia 19 de abril deste ano, o blog História e Espiritismo, está completando dois anos de existência.
Eu quero agradecer a todos vocês que atualmente fazem parte deste espaço como leitores assíduos.
Faço votos que possamos permanecermos juntos,  por muitos anos neste cantinho, estudando a História do Espiritismo e assuntos correlacionados.
Eu aproveitei este mês para trazer  uma abordagem diferente, com artigos e vídeos sobre “O MUNDO EM QUE VIVEU ALLAN KARDEC”.

Eu já criei o meu primeiro vídeo que está no blog e no meu canal The Lucianodudu no site Youtube.
E ainda aproveito o ensejo  para postar, um artigo sobre a vida RIVAIL A ALLAN KARDEC.
Boa leitura e reflexão


LUCIANO DUDU


De um modo geral, as religiões do mundo, sejam elas de origem oriental ou ocidental, estão associadas a personagens reveladores de um determinado saber.
Diante das missões realizadas por estes personagens, observamos uma postura impecável de ascensão em busca da evolução, e, por estarmos em um mundo de provas e expiações, tais criaturas destacam da maioria, no meio social e na época.
A personalidade ímpar de cada um, diante de seus compromissos, faz com que eles demonstrem uma particularidade moral, diferenciando-se da maioria dos habitantes deste orbe.
Não raro, eles despertam um encantamento, uma admiração nas pessoas, fazendo com que o contexto histórico fique ofuscado pelo brilhantismo de suas missões.
Em uma analise histórica de muitos personagens, percebemos que os ambientes, que propiciaram para que fossem realizadas suas grandes tarefas e missões, ficaram no anonimato.
Tal fato ocorreu também com o contexto histórico na época em que a Doutrina dos Espíritos foi codificada pelo mestre Lionês, Allan Kardec.
Percebo que no Movimento Espírita, através de suas federativas, de seus militantes que buscam divulgar a Doutrina dos Espíritos, pouco se comenta das influências que Allan Kardec sofreu de sua época e da bagagem que ele recebeu quando reencarnado, aliado com seu preparo de outras vidas, para realizar aquele magnânimo trabalho.
No livro Consolador o Espírito Emmanuel vem nos dizer que:
“Indiretamente, as criaturas humanas têm recebido, em todas as épocas, a cooperação do plano Espiritual para a edificação dos seus valores mais legítimos”.
Com base neste pequeno discurso, mas com grande propriedade, podemos tirar nossas conclusões de que o Magnetizador e Educador Rivail, juntamente com uma grande equipe de Espíritos, reencarnaram naquela época com missões peculiares, muitos deles fazendo parte daquele mundo no século XIX, com o compromisso de trazer a lume a Doutrina Espírita, outros personagens mesmo que indiretamente foram inspirados para desmistificar a imagem fantasmagórica do mundo espiritual.
Não apenas Rivail e seus médiuns, mas muitos autores, artistas, do século XIX, que de alguma forma, foram influenciados pela crença no sobrenatural.
Citaremos aqui algumas destas personalidades que vieram desmistificar a imagem de céu e inferno, trazendo um contexto de uma vida pós-morte, e demonstrando também as influências espirituais que a criatura humana pode sofrer dos que jazem no outro plano.
O mundo nesta época começa a abrir as cortinas para uma nova Era, que em tempos mais próximos começaria a invasão organizada dos Espíritos, mostrando como era a vida além da existência terrena.
Vamos citar um pouco das personalidades que prepararam o terreno, mesmo que não fosse ao campo mediúnico como Emmanuel Swenderborg, mas em outros campos da ciência, da arte, da literatura, arando o terreno para que o Espirito Verdade e sua plêiade viessem e fossem aceitos com mais naturalidade.
Citaremos algumas personalidades que deram uma ênfase maior em assuntos vinculados ao ocultismo aliado ao cristianismo.
Martinez_de_pasqualle
Martines de Pasqually
Martines de Pasqually faz uma associação do ocultismo e o cristianismo ele consignou suas teorias iluministas através de graus, em número de nove, em sua Ordem dos Elus Cohen, escreveu o livro: Traité de La réintegration des êtres dans leurs premières proprietés, vertus et puissances spirituelles et divines.
(O tratado da reintegração dos seres em suas primeiras propriedades, virtudes e poderes espirituais divinos), em sua obra ele tentou fornecer explicações de como seus iniciados iriam entrar em contato com os espíritos superiores que estão mais próximos da Divindade.

saint martim melhor
Claude de Saint Martin
Claude de Saint Martin, ele foi um filósofo e místico francês.
Foi discípulo de Martinez de Pasqually e Jacob Boehme (de forma póstuma, através de seus escritos). Advogado deixou de lado a jurisprudência e ao lado de Jean Baptiste Willermoz, lançou a base do Martinismo. Influenciou diversos ocultistas franceses, especialmente Eliphas Levi, Stanislas de Guaita e Papus.
Entre os iluministas podemos citar também:
220px-Lavater
Johann Kaspar Lavater,
Johann Kaspar Lavater,
Em sua obra ele expressa ideias sobre o estado da alma após a morte e coloca que o mundo invisível deve ser penetrável para a alma separada do corpo, assim como ele o é durante o sono, que a alma aperfeiçoa em sua existência material as qualidades do corpo espiritual, veículo com que continuará a existir depois da morte e pelo qual conceberá e obrará em sua nova existência, diz ainda que o estado da alma depois da morte será fundado sempre neste princípio geral: o homem colhe o que houver plantado e que cada alma, separada do seu corpo se apresenta a si próprio, depois da morte, tal como ela é na realidade, seu peso intrínseco, como que obedecendo à lei de gravitação, atrai-la-á aos abismos insondáveis ou às regiões luminosas, fluídicas e etéreas; e o bom Espírito elevar-se-á para os bons e o perverso será empurrado para os maus, atendendo à lei das afinidades.
mesmer
Franz Anton Mesmer
Franz Anton Mesmer iniciou-se os trabalhos com o Magnetismo Animal, começando as curas com um parente de sua esposa, que também era parente de Mozart.
Na Doutrina Espírita não se contesta que o Sr. Rivail, foi um adepto do mesmerismo antes dos estudos espiritas, e que de certa forma trouxe muitas influências acerca das indagações de Kardec aoss Espíritos Superiores a cerca do assunto, quando da codificação.
As influências do mesmerismo na obra de Kardec são claras.
“Allan Kardec reconhece que o” estudo do magnetismo despertou o seu interesse desde 1820; o que fez dizer a certos adversários do Espiritismo, como René Guenon, que os médiuns de Allan Kardec estavam hipnotizados pelo fundador do Espiritismo e que falavam segundo a vontade dele. (...)
O magnetismo escreve Kardec em 1858, preparou o caminho do Espiritismo e os rápidos progressos desta última doutrina são devidos, incontestavelmente, à vulgarização dos conhecimentos sobre a primeira.
Dos fenômenos do magnetismo, do sonambulismo e do êxtase às manifestações espíritas, não há mais que um passo.
(MOREIL, 1986. p.47)
NA MÚSICA

berlioz
Hector Berlioz
Hector Berlioz teve uma obra marcante, que é a Symphonie Fantastique, que retrata a obsessão por uma mulher com acentos trágicos da marcha para o suplício no movimento tumultuado de um estágio infernal.
A pintura nesta época toma uma forma mais espiritualizada e demonstrando claramente a vida além tumulo. Mencionaremos duas figuras mais representativa na pintura;
delacroix
Delacroix
Delacroix, destacando a figura dela com a obra Dante Et, com Virgile, uma obra mundialmente conhecida.

Louis Boulanger destacou-se na litografia, trazendo uma grande tendência e força para esse estilo de arte, ele um pintor romântico francês litógrafo, e ilustrador.
Ele se tornou o companheiro de Eugène Deverià e um íntimo de Victor Hugo, assim como diferentes círculos parisienses românticos, que teve um efeito decisivo na sua carreira.
Ele era ilustrador de várias obras românticas de Victor Hugo e Alexandre Dumas, bem como uma série de litografias sobre tremas fantásticos como Les fantômes e a sua dança dos espíritos à volta de um túmulo.

180px-ETA_Hoffmann_2
Hoffmam
Hoffmam foi um escritor alemão, que após sua morte ele serviu de grande influencia para os escritores franceses, fazendo uma abordagem de um contexto que ela havia trazido a lume, em décadas anteriores, tratando o mundo fantasioso e oculto.
Em “A copa de ouro”, conto iniciático de Hoffmann, o estudante Anselmo vive a luta entre as forças da luz e as forças da noite, entrando no reino dos espíritos, mundo superior de forças elementares e espirituais, bem longe da “secura interior”, produto da época das Luzes. (HOFFMANN, “Le vase d’or”, huitieme veillée, vol. 1, 1956).
Encontraremos escritores influenciados por Hoffmam, como:

Alfred_de_Vigny
Alfred Victor de Vigny

Alfred Victor de Vigny, em seu romance Stello, retrata um homem obsidiado por demônios.

defilne de giradin
Mme. De Girardin

A escritora francesa Mme. de Girardin, em sua obra Lorgnon, romance de costumes, apresenta uma figura de uma velha fantasmagórica.
Delfins de Girardin. Essa nasceu em Aix-LaChapelle, em 26 de janeiro de 1804, o mesmo ano do Codificador, e desencarnou na capital francesa em 29 de junho de 1855. Era poetisa, jornalista, casada, mas não teve filhos.
Desde o primeiro contato com as mesas girantes convenceu-se da veracidade das manifestações.
Teve oportunidade de se encontrar com o professor Rivail pessoalmente.
Era amiga de Victor Hugo e foi visitá-lo, em 1853, em seu exílio em Jersey onde usando uma mesa, após muitas tentativas colocou-o em contato com sua filha Léopoldine, morta afogada durante sua lua-de-mel, quando fazia um passeio de barco com seu marido. Essa comunicação fez Victor Hugo aderir ao Espiritualismo.
(lembrando ao amigo leitor que em nosso vídeo o mundo em que viveu Allan Kardec Parte 1, mostrou uma citação de Victor Hugo a sua filha morta).
Futuramente vamos comentar sobre as comunicações além tumulo desta escritora que fora publicada na revista espirita.


dmas
Alexandre Dumas

Alexandre Dumas (que também consta em nosso vídeo), , em sua obra Um bal masque, descreve uma brilhante noite em uma opera, com um contexto misterioso e se contrapõe uma realidade amedrontadora.

200px-HBalzac
Balzac
Balzac, (outra figura que consta no mesmo vídeo) em sua obra La peau de charrin e em Sarrasine, apresenta uma figura de atmosfera fantástica as árvores, demonstrando uma imagem de espectros livres de sua mortalha, nas imagens da dança dos mortos.
Fiel Leitor, após apresentarmos um pouco de alguns dos personagens que fizeram parte do mundo em que viveu Allan Kardec, fica mais fácil o entendimento de uma fala do Venerando Emmanuel no livro Consolador: “Os acontecimentos de uma época fazem parte do processo evolutivo para os valores intelectuais do homem, a caminho das conquistas definitivas de sua personalidade imortal para toda Eternidade”.
Diante de inúmeras pesquisas sobre a História do Espiritismo, realizada por nós outro, deparamos na maioria das vezes apenas na abordagem de como foi codificada a Doutrina dos Espíritos, ficando de forma desprivilegiada “o universal cultural” em que a figura do missionário Allan Kardec fazia parte.
A nossa proposta é fazer um link entre a História do Espiritismo e seu Universo Cultural.
Eu convido o amigo leitor para uma reflexão acerca da influência Cultural que Hippolyte Léon Denizard Rivail teve diante do contexto intelectual, filosófico, social e religioso da época.
Destarte, não podemos desconsiderar fatos como a sua bagagem de vidas pretéritas, arquivadas em seus escaninhos da memória espiritual, e nem a preparação que a Espiritualidade organizou para que a codificação tivesse como berço a França.
A partir desta data, daremos ênfase em nosso trabalho do blog Historia e Espiritismo, de uma forma singular, com uma série de postagens retratando tais fatos, e com vídeos sobre os assuntos abordados referentes ao Universo Cultural, onde denominaremos de “A época em que viveu ALLAN KARDEC”.
Temos o propósito de esclarecer acerca do mundo em que viveu o homem, educador, cidadão e magnetizador Denizard Rivail.
Começaremos abordando um período anterior a Allan Kardec, com o propósito de mostrar que influência que ele recebeu, através de um grande caldo cultural, da época em que ele nascerá no inicia do século XIX e referente às mudanças políticas, sociais, religiosas e filosóficas de um período anterior.
Mostraremos alguns aspectos pertinentes à França e a Europa do período, trazendo a lume um ponto até então obscuro, importante para a compreensão mais alargada da origem do Espiritismo no seu tempo e no espaço.
Isso facilitará a compreensão de muitos assuntos publicados por Allan Kardec, para termos uma compreensão maior de assuntos como as instruções dos Espíritos ditadas naquela época por um povo que tinha sede de conhecimento moral e espiritual, e que atravessa por grandes transições políticas, sociais e comportamentais, e ainda das problemáticas que atravessaram séculos e que ainda assola a humanidade.
Para o desenvolvimento deste trabalho buscamos respaldo na sociologia histórica desenvolvida pelo alemão Norbert Elias (1897- 1990), que perseguiu com tenacidade os temas das relações entre individuo e sociedade.
(...) O elenco de padrões sociais de auto – regulação que o individuo desenvolve em si ao crescer e transforma-se seria especifico de cada geração e próprio de cada sociedade. A Maneira como o individuo se comporta pode ser exemplificada também nos passos dos bailarinos de um corpo de baile em sua coreografia. Amigos ou não, pais e filhos, marido e mulher, nobres e servos, reis ou súditos, o modo como os indivíduos agem seria influenciado pelas relações passada ou presentes com outras pessoas. Cada pessoa parte sua posição única em sua rede de relações para construir sua historia singular, vinculada a outros.
Acompanhe nosso trabalho, que esta completando dois anos de existência e conheça um pouco do mundo em que viveu Allan Kardec, e fatos interessantes sobre a origem do Espiritismo.
Convidamos para esta bela viagem e reflexão no mundo do conhecimento histórico, filosófico e religioso.
Aprecie o vídeo sobre O MUNDO EM QUE VIVEU ALLAN KARDEC PARTE 1.




LUCIANO DUDU


Fonte: Do Livro : Em torno de Rivail, escrito por : Beatriz Helena P Costa Nunes, Cleone Augusto, Edgar Francisco de Jesus, Elizabeth Pinto V de Souza,Fabio Dubs,Iolde de Freitas, Maria do Carmos Marino Schneider, Maria Elisa Hillesheim, Nadja do Couto Vale, Pedro Simões R Feital, Rodrigo Bentes Monteiro, Verônica Cardoso de Jesus, em Bragança Paulista SP, Editora Lachatre 2004.

Imagens: Google.




















Leia com atenção

Leia com atenção

Nota de esclarecimento

As imagens contidas neste blog, são retiradas do banco de imagens da rede web.
Agradeço a todos que compartilham na rede tais imagens e até mesmo textos.
Caso haja algum problema de utilização em meu blog de algum material de sua autoria, entre em contato para que eu proceda a retirada.
Luciano Dudu